Mulher deixou menino no carro para fazer as unhas, diz polícia do Rio ~ Rádio Restitui Gospel

Nossas Redes Sociais - Compartilhe

TV RESTITUI

0

Mulher deixou menino no carro para fazer as unhas, diz polícia do Rio

Mulher deixou menino no carro para fazer as unhas, diz polícia do Rio
Comentários 81

Do UOL, no Rio
46297

Ouvir texto
0:00
Imprimir Comunicar erro
  • Reprodução/GloboNews
    Gabriel Martins de Oliveira, 2, morreu por insolação dentro de um carro de transporte escolar clandestino que o levava até a creche Gabriel Martins de Oliveira, 2, morreu por insolação dentro de um carro de transporte escolar clandestino que o levava até a creche
A Polícia Civil do Rio de Janeiro informou na manhã desta quarta-feira (17) que já sabe o que aconteceu com o menino Gabriel Martins de Oliveira, 2, que morreu na última sexta (12) após ser deixado, por quase duas horas sob sol forte, dentro do veículo de transporte escolar que o levava para a creche.
Segundo o delegado responsável pelo caso, Felipe Curi, da 27ª DP (Vicente de Carvalho), a motorista do veículo, Cláudia Vidal da Silva, 33, deixou a criança no banco de trás do carro para ir ao salão de beleza fazer as unhas, em Irajá, na zona norte do Rio de Janeiro.
"Ela entrou no salão por volta das 10h37 e ficou lá até 12h25. Quando ela retornou para o carro, viu que o Gabriel já estava em estado convulsivo", afirmou Curi em entrevista à "TV Globo", na manhã desta quarta. O menino chegou a ser atendido em um posto médico, mas não resistiu.
Na sexta, depois que o posto médico comunicou à polícia a morte da criança, a 27ª DP ouviu os depoimentos de Cláudia, da mãe da vítima e de duas outras testemunhas.
Em um primeiro momento, a condutora afirmou ter desmaiado por aproximadamente duas horas enquanto o menino estava dentro do carro. Disse ainda que, ao recuperar a consciência, constatou que a criança havia passado mal. A mãe de Gabriel sempre disse não acreditar na hipótese de desmaio.
A versão também foi classificada como "não crível" pelo delegado. Por esse motivo, os investigadores suspeitaram desde então que a condutora estivesse mentindo.
"Essa era a versão que nós tínhamos até o momento, mas não havia qualquer outro elemento que confrontasse essa versão que a Cláudia estava dando. (...) Nós não acreditávamos, até porque essa história que ela estava contando não era crível", relatou Curi.
Após dois dias de investigação, os policiais conseguiram identificar o salão de beleza e a manicure que teria atendido Cláudia no dia do fato. A manicure confirmou ter feito as unhas da mulher. Ontem (16), a mesma versão foi corroborada pela dona do salão de beleza, que prestou depoimento em sede policial.
A agenda do estabelecimento, na qual consta uma marcação em nome de Cláudia, foi apreendida e será utilizada como prova no processo. Além disso, os agentes da 27ª DP conseguiram imagens de câmeras de segurança instaladas na região. As gravações mostram, de acordo com a polícia, o momento em que Cláudia entrou e saiu do salão de beleza.
Com as novas testemunhas e provas, é possível que o inquérito, inicialmente registrado para investigar a hipótese de abandono de capaz com resultado morte, transforme-se em uma investigação de homicídio culposo (quando não há intenção). "Não houve um mero esquecimento. (...) Intencionalmente, ela deixou o Gabriel no veículo e foi fazer a unha", declarou Curi. O UOL não conseguiu localizar a condutora nem seu advogado.


Insolação afeta mais as crianças

Os casos de insolação acontecem com mais frequência entre crianças e recém-nascidos e, de acordo com o pediatra Sylvio Renan Monteiro de Barros, autor do livro "Seu Bebê em Perguntas e Respostas" e do blog do Pediatra, isso acontece, pois quanto menor a criança, maior é o teor de água no seu organismo.
"Um adulto tem 60% de água no corpo, enquanto uma criança tem 80% e um recém-nascido 90%, portanto quando eles perdem um pouco de água já sofrem de desidratação aguda, vindo a morrer", explica.
A água é vital para o funcionamento do organismo, já que é responsável por fazer o sangue circular e levar oxigênio e glicose para o cérebro e outros órgãos. "Com pouca água, o sangue não circula com facilidade e o fluxo de oxigênio e glicose que é enviado para o organismo para manter o metabolismo é prejudicado, portanto é possível ocorrer falência em todos os órgãos", afirma Barros.
Ou seja, a criança pode sofrer de insuficiência de oxigênio no cérebro, ter falência de atividades do pulmão, do rim ou de qualquer outro órgão, pois eles não são capazes de trabalhar em um meio com pouco líquido.
No caso de Gabriel, que sofreu convulsão, o pediatra destaca que esse também é um dos sintomas da falta de oxigênio e glicose no cérebro. "Quando o cérebro não recebe esse combustível vital para manter-se vivo, pode ocorrer convulsão. A criança acaba perdendo muita água e os órgãos perdem a função", destaca.































http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/12/17/mulher-deixou-gabriel-no-carro-para-fazer-as-unhas-diz-policia-do-rio.htm

0 comentários:

Postar um comentário